Escolha uma Página

Você sabe que precisa evoluir, mas falta alguma coisa, talvez tempo ou inspiração. Ou, quem sabe, falta aprender a crescer da melhor forma com um plano de desenvolvimento individual!

Muitos profissionais têm um talento incrível, mas não sabem usá-lo ou ainda não foram despertados pelo simples fato de não conseguirem organizar as ideias de desenvolvimento. Então este artigo é especialmente para esse perfil.

Que tal saber um pouquinho mais sobre desenvolvimento individual, sua importância e os benefícios para a empresa, além de conhecer um passo a passo poderoso de construção desse plano? Confira tudo isso neste post!

Qual o conceito de desenvolvimento individual?

A ideia do desenvolvimento individual passa pelo objetivo de transformar um colaborador, tanto pessoal como profissionalmente, em alguém muito melhor. A carreira é o principal foco, mas aspectos humanos também são trabalhados para extrair o melhor do potencial da pessoa.

O plano de desenvolvimento individual, também conhecido como PDI, sistematiza as ações direcionando-as para o objetivo que se deseja alcançar. Por meio de um roteiro, é possível estabelecer metas e prazos bem definidos para conseguir um aprimoramento efetivo.

Como não há um perfil totalmente padronizado de pessoa, cabe a você ou à própria organização adequar um plano de acordo com as principais diretrizes estabelecidas pelo PDI.

Por que é importante montar um plano de desenvolvimento individual?

Vários benefícios são alcançados quando adotamos um PDI em nossa carreira. O primeiro, e mais lógico, é o impulsionamento da profissão a um nível mais alto. Outra qualidade é o direcionamento que o colaborador obtém ao organizar o seu caminho de desenvolvimento.

O PDI também é um excelente exercício de investigação pessoal. O retorno disso é o autoconhecimento da pessoa. Respostas chave sobre o perfil profissional são obtidas por meio de perguntas importantes como:

  • Quem você é?
  • Aonde pretende chegar?
  • O que é mais importante na sua carreira?
  • Onde estão suas maiores dificuldades?

Por fim, destacamos a diferenciação no mercado como um dos principais benefícios. Ou seja, após a adequada implementação do PDI, o colaborador terá uma posição mais forte perante o empregador e outras empresas.

Quais os benefícios que o PDI retorna para a organização?

A empresa se beneficia principalmente no aspecto da capacitação individual de colaboradores. A partir disso, é possível estabelecer estratégias com mais clareza e precisão.

O PDI também representa uma ótima oportunidade de elevar a motivação do corpo de funcionários. Esse fator contribui para a redução de turnover e acaba melhorando a performance coletiva.

Outro aspecto interessante é o incentivo à responsabilidade sobre o próprio futuro do colaborador. Nessa perspectiva, a empresa repassa a incumbência do crescimento para o profissional, e esclarece o que, quando e como ele precisa fazer algo.

Como construir um plano de desenvolvimento individual poderoso?

A perfeita construção de um PDI passa pelo estabelecimento de pontos cruciais que estruturam o caminho de evolução. A partir de agora, vamos apresentar em detalhes os principais passos que auxiliam o gestor ou mesmo o profissional a elaborar seu próprio plano de desenvolvimento individual.

1. Tenha um objetivo para o PDI

O plano de desenvolvimento individual começa com o objetivo bem delineado. A precisão do que se pretende atingir é o que definirá a qualidade do PDI. Então, identifique se o foco principal é uma promoção, a mudança de carreira, um projeto específico ou, ainda, alguma meta pessoal. Implemente o PDI principalmente para:

  • desenvolver novos colaboradores mais rapidamente;
  • superar dificuldades de evolução;
  • mudar de cargo ou de carreira;
  • alcançar status de especialista, mestre, perito ou outro nível mais elevado.

2. Identifique o que deve ser melhorado

A partir dos objetivos traçados, descubra as competências já dominadas e todas as necessárias para a evolução. O estudo desse cenário apresenta o que chamamos de pontos fortes e fracos de um perfil.

É certo que os pontos fracos merecerão mais atenção para preencher as eventuais lacunas de conhecimento e desenvolver as competências. Porém, os pontos fortes são considerados como oportunidades para aprimoramento e exploração de competências para servir de diferencial de currículo.

É importante não esquecer que competências, habilidades e atributos são conceitos distintos. Por isso, devem ser pesquisados de forma semelhante, mas com as devidas particularidades consideradas no resultado final.

3. Defina ações para o desenvolvimento

Após essas duas etapas, você já terá uma diretriz para determinar ações que devem ser realizadas por meio de tarefas, etapas e objetivos. Você pode se movimentar para um novo trabalho, assumir algum desafio, aprender uma nova função ou acumular conhecimento teórico sobre algum assunto por meio de cursos, treinamentos, leituras etc.

O recomendado é que, ao final dessas tarefas, consiga a mudança desejada. Você pode ainda buscar o alcance de metas em conjunto com outras pessoas, desenvolvendo novas habilidades e superando dificuldades.

4. Atribua datas com responsabilidade

Também é muito importante que se considerem de forma consciente as metas e prazos estabelecidos. Ou seja, tempos curtos demais e metas impossíveis devem ser descartados.

O ideal é que as metas sejam separadas por nível de tempo e dificuldade. Em alguns casos, é possível ter uma meta mais fácil, porém mais trabalhosa e demorada. Por outro lado, objetivos mais complexos que exijam tempo mais curto também podem ocorrer.

Curto ou longo, complexo ou simples, o recomendado é buscar meios de implementação e atentar a possíveis mudanças que surjam ao longo do plano. Uma grande meta, por exemplo, pode ser desmembrada em pequenos objetivos para alcançar resultados mais precisos.

5. Implemente e avalie

Com o detalhamento concluído, é hora da implementação do plano. A parte principal dessa etapa é o acompanhamento das ações, de forma que o profissional possa ter mais controle sobre a sua evolução.

Marque as etapas finalizadas, separe as competências com maior dificuldade de desenvolvimento e acompanhe se o tempo está sendo bem administrado. Compare o status inicial com as competências adicionadas, e verifique se a progressão está sendo satisfatória.

A avaliação pode acontecer por meio de um sistema de software específico. A digitalização dos resultados contribui para que a análise seja mais precisa e fiel ao que se pretende atingir. A partir dos resultados, basta manter a evolução, reestruturar o plano ou melhorar o comprometimento do colaborador.

Você acaba de descobrir uma ótima diretriz para o seu desenvolvimento! O próximo passo é colocar o planejamento em ação. Depois de reconhecer a importância do PDI e implementá-lo, muitos profissionais mudam de patamar e melhoram sua aprovação no ambiente de trabalho.

Quer continuar o plano de desenvolvimento individual? Acumule conhecimento sobre diversos assuntos de recrutamento assinando nossa newsletter!

blog-sidebar-infografico