Escolha uma Página

Por melhor que seja uma contratação, é normal que, eventualmente, algum funcionário tenha que ser desligado ou peça para sair por ter recebido uma oportunidade de emprego mais atrativa. Nesses momentos, é preciso estruturar uma boa entrevista de desligamento.

Esse é um importante recurso de coleta de informações e compreensão acerca dos motivos que encorajaram o desligamento. Dessa forma, a empresa tem a possibilidade de melhorar seus processos e aperfeiçoar suas políticas internas.

A entrevista de desligamento também serve como um termômetro para medir o ambiente organizacional, gerando diversos indicadores relevantes. Por isso, para que você saiba aproveitar esse momento de forma adequada, nós preparamos um conteúdo especial.

Neste post, você entenderá o que é uma entrevista de desligamento e por que utilizá-la. Além disso, vai descobrir os reais objetivos desse tipo de processo e ainda aprender a conduzir uma entrevista eficiente. Ficou animado? Aproveite a leitura!

Entenda o que é uma entrevista de desligamento

A entrevista de desligamento é um mecanismo típico de gestão de pessoas, responsável por coletar informações importantes sobre o processo de saída de um funcionário. Entre os principais dados obtidos com esse recurso estão:

  • sugestões de melhoria;
  • detalhes sobre as condições de trabalho;
  • motivos que influenciaram o afastamento.

O conjunto dessas informações pode indicar fatores de risco em uma empresa. Um exemplo disso é a reincidência de pedidos de desligamento em função do clima organizacional, que pode estar apontando um ajuste necessário para neutralizar o ambiente.

Portanto, é assim que o dito termômetro ao qual nos referimos no início do texto é posto à prova. Quando algo não estiver funcionando da maneira adequada, provavelmente será abordado durante a entrevista de desligamento.

Para garantir que o processo seja preciso e claro, é importante prezar por alguns aspectos, como:

  • evitar constrangimentos, deixando a entrevista para o último dia de trabalho;
  • manter a entrevista confidencial e informar o candidato disso;
  • formular os questionários de acordo com o motivo do desligamento (pedido de demissão, demissão por justa causa ou sem justa causa);
  • organizar um local calmo e isolado, com os materiais necessários (papel, caneta, etc.).

A partir da entrevista de desligamento, a empresa terá subsídios para instituir mudanças, investir no desenvolvimento e na valorização de suas equipes. Além disso, outras transformações podem ser necessárias, incluindo a infraestrutura e os processos internos.

Para não comprometer os resultados obtidos, o gestor responsável pela aplicação da entrevista de desligamento deve estar atento aos possíveis sentimentos de ressentimento, raiva ou tristeza. É preciso considerar que se trata da perda de um emprego, que pode impactar o sujeito de diversas maneiras.

Saiba por que utilizá-la

Como abordado, um dos aspectos mais importantes dessa etapa do desligamento é a coleta de dados com vistas às melhorias na empresa. Portanto, um plano de ação pautado nos resultados obtidos é essencial para cumprir com o objetivo do mecanismo.

Uma entrevista de desligamento que “morre” no preenchimento de um questionário tem pouco ou nenhum valor para a empresa. Em contrapartida, com a análise das informações e com mudanças direcionadas para a solução de problemas, a empresa pode conquistar diversas vantagens.

Os pontos de melhoria podem ser encaminhados para os coordenadores como forma de feedback. Com isso, alterações pontuais poderão ser realizadas em tempo ágil, impactando positivamente no desempenho das equipes e até mesmo evitando outros desligamentos.

Descubra quais são os seus objetivos

Os objetivos de realizar uma entrevista de desligamento são muitos. No entanto, separamos os principais deles:

  • causa do desligamento — compreender os motivos que levam um funcionário a pedir o desligamento ou mesmo os aspectos em que a empresa deixou a desejar na sua preparação, como não investir em treinamentos, por exemplo;
  • ambiente profissional — conhecer a percepção que os funcionários possuem sobre as condições de trabalho em dado ambiente profissional;
  • política salarial — entender se a remuneração está de acordo com as expectativas de seus funcionários e em consonância com o nível de preparação que a empresa proporciona a eles;
  • política de benefícios — descobrir se os benefícios ofertados pela empresa realmente fazem sentido e são relevantes para os seus funcionários.

Aprenda a conduzir uma boa entrevista de desligamento

Fique atento às possíveis contradições

É preciso se manter atento àqueles funcionários que são desligados com ou sem justa causa, mas que não esperavam a demissão. Em geral, o afastamento imprevisto pode gerar frustração e até mesmo ferir o ego do profissional.

Por isso, é comum que ocorram distorções e contradições no momento de responder às perguntas e gerar informação. Entre os principais sentimentos que podem tornar as respostas contraditórias estão:

  • falsa alegria — quando o funcionário tenta convencer o gestor de que “já queria sair mesmo” e acaba respondendo tudo de forma rápida e superficial;
  • ressentimento — quando o funcionário sente a demissão como uma injustiça e passa a culpar os demais (ex-colegas, ex-chefes, etc.);
  • irritação — quando existe um número grande de acusações e pressa em responder, sem mesmo refletir sobre as perguntas;
  • tristeza — quando as respostas deixam um ar de esperança de voltar a trabalhar na empresa e o funcionário se apega aos esforços realizados durante o tempo em que esteve empregado.

O mais importante, nessas situações, é entender que as respostas podem estar sendo distorcidas por um sentimento momentâneo e que nem sempre são a verdade. O ideal é que o funcionário reflita um pouco sobre cada pergunta e responda de forma calma, dando exemplos sobre seu posicionamento e argumentando de forma racional.

Evite agir na defensiva

Evitar a defensiva é outro fator muito importante. Isso não significa que o entrevistador tem direito de ofender ou ser rude com o entrevistado. O objetivo é que ele seja cordial e busque entender o momento enfrentado, sem assumir uma posição julgadora ou taxativa.

Para isso, é preciso compreender que, muitas vezes, o funcionário estará sob efeito de diversas emoções, tais como as citadas anteriormente. Nesse caso, não convém entrar em discussão sobre aspectos mínimos que levaram ao desligamento.

O ideal é que sejam esclarecidos os aspectos de falhas e acertos de ambos os envolvidos — empresa e funcionário — e outras questões que ficarem em aberto. Porém, é importante tomar cuidado para não fazer afirmações no calor do momento e que sejam infundadas em fatos.

Em caso de ocorrerem provocações ou mesmo alterações no tom de voz do funcionário, é essencial que o entrevistador se mantenha neutro e tente acalmar a situação, buscando o esclarecimento sobre o que está sendo dito.

Transforme as informações em aprimoramentos

Toda informação abordada durante a entrevista deve ser registrada e transformada em aprimoramentos que, de fato, contribuirão para o avanço da empresa. Se tudo ocorrer bem, o entrevistador conseguirá informações importantes sobre:

  • o estilo de liderança dos gestores;
  • as melhores e as piores práticas adotadas por eles;
  • a qualidade dos relacionamentos interpessoais no ambiente de trabalho;
  • os pontos de melhoria no RH e no setor específico em que o funcionário trabalhava;
  • as falhas nos processos organizacionais;
  • a percepção de cada funcionário;
  • as práticas utilizadas pelos concorrentes para atrair os seus profissionais.

Como você pode perceber, essa é uma prática importante, capaz de gerar muitas informações e contribuir para o aprimoramento de um RH estratégico. Apesar de ser um processo delicado, ele também serve para deixar ambas as partes confortáveis com o esclarecimento dos motivos que levaram ao rompimento da relação trabalhista.

Agora que você já sabe o mais importante sobre a entrevista de desligamento, siga-nos nas redes sociais e fique por dentro dos nossos melhores conteúdos! Estamos no Facebook, LinkedIn, Twitter e Instagram.

 

 

ebook manual contratação eficiente